Pintas: quando o charme se torna preocupação

As pintas são nevos melanocíticos, manchas ou pequenas elevações na pele. Em algumas pessoas elas são um charme, no entanto é preciso ter cuidados constantes e observar formato, cor e diâmetro. Mais comuns nas áreas que ficam expostas ao sol, como rosto, braços, pernas e tronco, as pintinhas podem ser de nascença ou aparecerem ao […]

Publicado dia 27/04/2017 às 01:24

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

As pintas são nevos melanocíticos, manchas ou pequenas elevações na pele. Em algumas pessoas elas são um charme, no entanto é preciso ter cuidados constantes e observar formato, cor e diâmetro.

Mais comuns nas áreas que ficam expostas ao sol, como rosto, braços, pernas e tronco, as pintinhas podem ser de nascença ou aparecerem ao longo da vida. De acordo com a dermatologista Patrícia Tavares, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), elas surgem até os 40 anos e não costumam mudar de tamanho.

Na maioria dos casos os nevos não exigem tratamento. Todavia, alguns podem sofrer o processo de malignização, dando origem ao melanoma maligno (câncer de pele). Quando a pinta começa a apresentar alterações de tamanho, mudanças de cor, sangramento, ferimentos, entre outros sintomas, é crucial procurar um dermatologista. Outra forma de saber se o sinal está passando por um processo de malignização é observar o que os dermatologistas chamam de Assimetria, Borda, Cor, Diâmetro (ABCD). “Pintas geralmente possuem formato simétrico, bordas regulares, cor homogênea e diâmetro de até seis milímetros. Nevos que não apresentam esse tipo de característica devem ser melhor analisados por um dermatologista”, explica Patrícia.