Deficiências nutricionais podem prejudicar a imunidade e afetar o crescimento

A alimentação saudável começa no nascimento, quando se introduz o leite materno, rico em nutrientes e específico para as necessidades do bebê. Entretanto, há algumas mães que relatam que seu leite é fraco e necessita de fórmulas para que sacie a necessidade dos seus filhos. “Isso é um erro, na maioria das vezes. O leite […]

Publicado dia 14/06/2017 às 19:00

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

A alimentação saudável começa no nascimento, quando se introduz o leite materno, rico em nutrientes e específico para as necessidades do bebê. Entretanto, há algumas mães que relatam que seu leite é fraco e necessita de fórmulas para que sacie a necessidade dos seus filhos. “Isso é um erro, na maioria das vezes. O leite em fórmulas, o de lata, só deve ser oferecido com recomendação médica ou de um nutricionista”, explica a nutricionista e especialista em gestão da segurança de alimentos, Rosana Lima.

Com seis meses, a criança necessita de um suporte nutricional maior do que o leite materno. “A introdução desses novos alimentos deve ser feita de maneira gradual e sempre para complementação das mamadas”, reforça. O importante é prezar por comidas naturais e evitar as papinhas industrializadas. Se existirem deficiências nutricionais, a criança pode ter sua imunidade prejudicada, aumentando doenças alérgicas, gripes e resfriados, além da possibilidade de afetar o crescimento.

A nutricionista defende a que é necessário que os pais sejam os primeiros envolvidos na alimentação dos seus filhos. “Uma criança não tem hábitos saudáveis se a família não incentivar e não orientá-la nesse processo”. Os melhores tipos são aqueles que aprendemos a comer antigamente, naturais, em que a embalagem é a própria casca, ou processados minimamente. “Uma boa dica é, na hora de comprar alimentos industrializados, sempre olhar a lista de ingredientes, escolhendo o que tiver a quantidade mínima de itens”, orienta.

É importante ressaltar que a alimentação infantil não deve ser restritiva. É fundamental aprender a fazer boas escolhas e isso depende dos hábitos familiares. “Uma vez por semana, pergunte ao seu filho, o que ele quer comer. Se ele tiver uma alimentação equilibrada durante a semana, ele não vai ficar menos saudável por consumir um fast food no domingo. Isso faz parte do desenvolvimento do paladar”, afirma Rosana.

Uma indicação da profissional é fazer com que a hora da refeição seja um momento de tranquilidade e alegria para as crianças. “Não basta ter boas opções, é necessário criar expectativa com esse horário, sabendo que encontrará a família e compartilhará as novidades e alegrias do seu dia”, conclui.