Inaugurado o Centro Avançado de Diagnóstico da Mama do HC

Em favor da prevenção e preservação da vida de pacientes usuárias do Sistema Único de Saúde (SUS), o Hospital das Clínicas inaugurou o Centro Avançado de Diagnóstico da Mama (Cora). A unidade disponibiliza o mamótomo, aparelho moderno para realização de exames de biópsia da mama. A concretização desse ideal exigiu alto investimento financeiro. Informações oficiais […]

Publicado dia 15/03/2017 às 15:00

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Em favor da prevenção e preservação da vida de pacientes usuárias do Sistema Único de Saúde (SUS), o Hospital das Clínicas inaugurou o Centro Avançado de Diagnóstico da Mama (Cora). A unidade disponibiliza o mamótomo, aparelho moderno para realização de exames de biópsia da mama.

A concretização desse ideal exigiu alto investimento financeiro. Informações oficiais apontam que o custo total da obra foi de R$ 8 milhões. Para tanto, a construção foi executada em parceria com a Universidade Federal de Goiás (UFG), Instituto Avon e entidades públicas e privadas como os Ministérios Públicos de Goiás e do Trabalho, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg), Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen) e ONG Companheiro das Américas. Vale ressaltar que o mamótomo, aparelho que destaca o Cora, custou R$ 420 mil reais e foi adquirido com recursos do MPT-GO.

O mamótomo possibilita o rastreamento eficaz, rápido e indolor do câncer de mama. Em apenas um minuto, o aparelho coleta até 12 amostras do tecido adiposo em que se encontra o nódulo mamário. A eficiência reduzirá o tempo na fila de espera e dos custos financeiros, uma vez que a moderna ferramenta dispensa a ida ao centro cirúrgico para realização da biópsia.

A expectativa é que o Cora possibilite a redução do índice de mortalidade de mulheres goianas em decorrência do câncer mama. O chefe do programa de mastologia do HC, Ruffo de Freitas Júnior, destacou no dia da inauguração, que a expectativa é dobrar o número de mulheres atendidas no serviço, que atualmente é de 9 mil por ano.

Autoridades e celebridades estiveram presentes na inauguração do Cora. Dentre os famosos estava a embaixadora do Instituto Avon Luiza Brunet. Na oportunidade, o superintendente do HC-UFG, José Garcia Neto ressaltou que o Cora foi um sonho construído por muitas mãos, pois os hospitais universitários enfrentam consideráveis desafios financeiros e, ao ensejo, elogiou a gestão do ex-reitor da UFG, Edward Madureira Brasil pelo incentivo em parcerias público, privadas e filantrópicas no desenvolvimento de projetos da universidade.

A ideia de construir um centro avançado de diagnóstico do câncer, segundo a coordenadora de Ações de Rastreamento do Cora, Rosemar Macedo Souza Rahal, surgiu em 2010 com a visita ao Hospital do Câncer de Barretos, em São Paulo, que possui um mamótomo móvel. A equipe de Mastologia do HC, quando em visita a Barretos, verificou as vantagens no diagnóstico precoce oferecidas pelo mamótomo e, então, buscaram parcerias para a concretização da ideia. O projeto foi aprovado pela UFG em 2010 e a obra teve início em 2013.

A edificação possui 1.709,11 m², três andares, 15 consultórios, auditórios com capacidade para 70 pessoas, salas para exames de ultrassonografia, mamografia, mamotomia e pesquisas clínicas. Além disso, o edifício oferece uma sacada, duas recepções e um espaço de convivência. Dos R$ 8 milhões investidos na construção do Cora, o Instituto Avon destinou R$ 2,512 milhões, a UFG R$ 2 milhões, FAPEG R$ 2,150 milhões, Ebserh R$ 614.767, Ministério Público do Trabalho R$ 420 mil, Ministério Público de Goiás (Comarca de Itaberaí) R$ 70 mil. A ONG Companheiro das Américas entregou cheque simbólico de 50 mil dólares destinado à aquisição de software responsável pela impressão das imagens de exames de mamotomia, ultrassonografia e mamografia.