Mamografia a serviço da vida

O câncer de mama é o segundo tipo de carcinoma mais frequente no mundo, respondendo por cerca de 25% dos casos novos a cada ano. O câncer de mama também acomete homens, porém é raro, representando apenas 1% do total de casos da doença. Para o ano de 2016, no Brasil, foram esperados 57.960 novos […]

Publicado dia 20/03/2017 às 19:00

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

O câncer de mama é o segundo tipo de carcinoma mais frequente no mundo, respondendo por cerca de 25% dos casos novos a cada ano. O câncer de mama também acomete homens, porém é raro, representando apenas 1% do total de casos da doença. Para o ano de 2016, no Brasil, foram esperados 57.960 novos casos.

Apesar do aumento da incidência do câncer de mama a cada ano, as ferramentas de diagnóstico contribuem para diagnoseprecoce e potencializam as chances de cura. Por isso, a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) e especialistas da área trabalham incansavelmente na conscientização da importância da mamografia e exames de imagem. A SBM, inclusive, acredita que haverá um aumento no diagnóstico de tumores na fase inicial quando todas as mulheres tiverem acesso a uma mamografia de qualidade uma vez ao ano a partir dos 40 anos.

As radiologistas com especialização em radiologia mamária, Daniele Machado Mendonça, Lilian Soares Couto e Maria Rachel de Oliveira Gama também incorporam a luta de conscientização sobre a importância dos exames de diagnóstico do câncer de mama. As especialistas apontam a mamografia como o meio mais seguro e eficaz. “A mamografia é o único método de rastreamento que demonstrou ser capaz de promover uma redução absoluta da mortalidade, de até 30%, em mulheres acima de 40 anos, por detectar pequenos tumores assintomáticos”.

O exame de detecção de neoplasias da mama é recomendável a partir dos 40 anos. Dessa faixa até os 69 anos, a mamografia deve ser feita anualmente, mulheres acima de 70 anos realizam o rastreamento mamográfico de forma individualizada. No entanto, as mais jovens devem ficar atentas. “Quem possui histórico familiar da doença deve ser avaliada por um especialista, que indicará a idade de início para realização da mamografia e sua periodicidade”.