Pesquisa mostrará violência contra médicos e enfermeiros

Os profissionais e Enfermagem e de Medicina têm sido vítimas constantes de agressões físicas e psicológicas em postos, hospitais e outras unidades de saúde. Um número expressivo não apresenta queixa ou faz qualquer denúncia por descrédito das autoridades ou medo de represálias. A situação é preocupante. As informações são resultado de sondagem com cerca de […]

Publicado dia 14/03/2017 às 17:31

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Os profissionais e Enfermagem e de Medicina têm sido vítimas constantes de agressões físicas e psicológicas em postos, hospitais e outras unidades de saúde. Um número expressivo não apresenta queixa ou faz qualquer denúncia por descrédito das autoridades ou medo de represálias. A situação é preocupante.

As informações são resultado de sondagem com cerca de 6 mil profissionais realizada pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo e pelo Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo, entre técnicos, auxiliares de enfermagem, enfermeiros e médicos. Serão apresentadas em coletiva à imprensa no próximo 15 de março, às 10h30, no Centro de Convenções Rebouças, durante o Encontro das Comissões de Ética de Medicina e de Enfermagem.

Em seguida, médicos, enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem farão passeata e ato público em defesa da paz, distribuindo rosas aos pacientes nas imediações do Complexo Hospital das Clínicas e protagonizando ainda uma revoada de mil balões brancos. A ação visa reforçar a campanha de mídia Violência Não Resolve a ser lançada simultaneamente com o intuito de conscientizar a todos sobre o problema, mostrando que respeito e harmonia, além de essenciais sempre, só contribuem para a melhoria da assistência.