Estrabismo pode aparecer por herança genética

Um dos sinais que podem ajudar a identificar a doença é se a pessoa não conseguir assistir aos filmes em 3D. É comum que bebês sejam um pouco estrábicos até os 3 meses, pois ainda não tem total controle desses músculos. Se o problema persistir, ainda pode anular a função dos olhos. Cada fase de […]

Publicado dia 05/04/2017 às 11:00

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Um dos sinais que podem ajudar a identificar a doença é se a pessoa não conseguir assistir aos filmes em 3D. É comum que bebês sejam um pouco estrábicos até os 3 meses, pois ainda não tem total controle desses músculos. Se o problema persistir, ainda pode anular a função dos olhos. Cada fase de uma pessoa tem um ponto critico para a visão. Na infância, é preciso ter certeza de que os dois olhos funcionam perfeitamente. Um olho ruim deixa de enviar informações ao cérebro e, a longo prazo, pode perder a função.

Os médicos indicam o uso do tampão no olho sadio durante a infância para estimular o olho estrábico. Mas existe um período de tempo para esse aprendizado funcionar, que vai dos primeiros meses de vida até os oito anos de idade. Após esse tempo, se o olho estrábico não tiver sido estimulado da maneira correta e recomendada pelo médico, a criança pode ficar cega de um dos olhos. O tratamento bem feito com o tampão pode não colocar o olho de volta ao lugar, mas desenvolve a visão. Nesse contexto, o paciente pode fazer a cirurgia, mas apenas por questões estéticas. Em alguns casos, o problema é corrigido com o uso dos óculos e o olho se esforça para desviar e corrigir o grau. Mas, quando a pessoa tira os óculos, volta a ficar estrábica.