Cuidado para não despertar a futilidade excessiva com aparência nas crianças

Um espaço todo colorido, cheio de brinquedos e vídeos educativos. Os salões de beleza infantis estão em alta, e buscam um ambiente cada vez mais lúdico para distrair as crianças enquanto cortam ou lavam os cabelos. Proprietária de um salão de beleza infantil em Goiânia há nove anos, a empresária Ana Cristina Rocha Cavarsan explica […]

Publicado dia 10/05/2017 às 16:00

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Um espaço todo colorido, cheio de brinquedos e vídeos educativos. Os salões de beleza infantis estão em alta, e buscam um ambiente cada vez mais lúdico para distrair as crianças enquanto cortam ou lavam os cabelos.

Proprietária de um salão de beleza infantil em Goiânia há nove anos, a empresária Ana Cristina Rocha Cavarsan explica que no local são oferecidos os mesmos serviços de um salão comum, como corte, lavagem, esmaltação e penteados. “As unhas geralmente são decoradas, mas nossa preocupação é deixar as crianças com cara de crianças. Isso também vale para penteados ou maquiagem”, explica a empresária, que destaca ainda que os produtos utilizados são dermatologicamente testados.

A relações públicas Flávia Aline da Silva leva o pequeno Pedro, de dois anos, desde quando ele tinha um ano a um salão especializado em crianças. “Ele adora. Fica chamando toda hora para ir cortar os cabelos. Embora o preço seja um pouco mais alto do que em salões comuns, gosto de levá-lo porque tudo acaba virando uma grande brincadeira. Pedro nunca chorou”, relata.

A psicóloga Natalia Montecelli Guimarães Manso lembra que as crianças estão em desenvolvimento físico e psicológico, por isso “os pais têm que ter o cuidado na educação, orientação e, principalmente, nos limites que são dados aos pequenos”. “O fato de ir ao salão por si só não gera preocupação excessiva com aparência, mas a junção deste ambiente com o que é “moda” é o que preocupa. Nesse momento, é essencial o papel dos pais em orientar e impor limites com relação à precocidade das situações. O importante é que tudo tem de ser feito ao seu tempo. Tempo de criança é tempo de criança”, esclarece.

Em seu salão, Ana Cristina atende crianças e jovens de 0 a 15 anos e destaca que desde o ambiente até os profissionais são pensados e orientados a não cultivarem a futilidade. “A preocupação é ensinar bons hábitos relacionados à higiene pessoal como limpeza e corte das unhas, sem deixar de lembrar que são crianças e devem ser tratadas como tal”, reforça.