Remédio para obesidade na infância deve ser limitado

O uso de medicamentos para obesidade na faixa etária pediátrica é limitado e reservado a casos específicos de maior gravidade ou que apresentem comorbidades. O foco principal é manter hábitos de vida saudáveis. Entre eles, a automonitorização, o controle alimentar, a atividade física e o uso das medicações prescritas pelo médico, que previnem as complicações […]

Publicado dia 09/05/2017 às 18:05

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

O uso de medicamentos para obesidade na faixa etária pediátrica é limitado e reservado a casos específicos de maior gravidade ou que apresentem comorbidades. O foco principal é manter hábitos de vida saudáveis. Entre eles, a automonitorização, o controle alimentar, a atividade física e o uso das medicações prescritas pelo médico, que previnem as complicações agudas e crônicas da doença.

Alimentação adequada e atividades físicas beneficiam o controle glicêmico e previnem a obesidade em diabéticos. Para equilibrar a alimentação dentro da gama de produtos disponíveis para diabéticos, a palavra chave e moderação. Não é porque o alimento é diet que pode ser consumido em qualquer quantidade e a qualquer hora.

É importante que os alimentos tenham porções adequadas e que haja cobertura de insulina. Alguns alimentos diet não contêm açúcar mas são ricos em gorduras, podendo levar a alterações indesejáveis da glicemia. Por isso é crucial equilibrar e variar a alimentação, evitando excessos de alimentos industrializados e com grande quantidade de gorduras.

A prática de exercícios físicos regulares é outro elemento essencial para o combate da obesidade em crianças com diabetes. A atividade aumenta o gasto energético e evita o acúmulo de calorias, isso contribui para evitar o excesso de peso. Durante o exercício há maior consumo de glicose nos músculos o que auxilia o diabético a manter as taxas mais controladas.

É necessário dar atenção ao quadro emocional vivido pela criança e seus familiares. O apoio psicológico é fundamental pois, às vezes, as dificuldades em lidar cronicamente com o diabetes leva a quadros ansiosos. Com isso, alguns utilizam a comida como válvula de escape para controlar a ansiedade. Isso favorece o surgimento da obesidade. O equilíbrio emocional, tanto da criança como de seus familiares, facilita a adesão ao tratamento do diabetes e reduz o comportamento de busca de excessos alimentares para compensação das eventuais angústias sofridas no dia a dia.